Espaço Publicitário

Dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC-IBGE) mostram que o volume de vendas do comércio de materiais de construção voltou a crescer em outubro de 2020 na comparação com o mesmo período de 2019. O avanço foi de 20,9% no Brasil e 28,6% no Estado de São Paulo. Em ambos os casos os dados apresentados significaram o quinto crescimento mensal seguido na contraposição interanual.

Evolução mensal do índice de volume de vendas do comércio de materiais de construção – Mês contra mesmo mês do ano anterior

Fonte: PMC-IBGE

Considerando os dados acumulados de janeiro a outubro, em relação ao mesmo extrato de 2019, o indicador mostra elevação de 9,4% no Brasil e 13,7% no Estado de São Paulo.

Evolução mensal do índice de volume de vendas do comércio de materiais de construção – Acumulado do ano em relação ao mesmo período do ano anterior

Fonte: PMC-IBGE

“Os números de outubro apenas dão continuidade ao cenário positivo do comércio de materiais de construção neste segundo semestre, comenta o economista Jaime Vasconcellos. Enquanto o desempenho acumulado do comércio ampliado paulista amarga em outubro uma queda de 4,7%, o segmento de materiais de construção cresce 13,7%. “Isso mostra que houve direcionamento do consumo para tais bens, inflado pela alteração de hábitos familiares e de trabalho com a pandemia, devido aos juros atrativos para financiamentos e maior disponibilidade de recursos poupados e provenientes das parcelas do auxílio emergencial”, avalia.

Todavia, adverte Jaime, uma ponderação deve ser realizada, sazonalmente as vendas dos últimos bimestres do ano, no comércio de materiais de construção, são mais arrefecidas, devido ao direcionamento normal de renda familiar às viagens, presentes e ceias comemorativas. “Em 2020 devido ao isolamento social e ao avanço dos novos casos da Covid-19, a tendência e tal movimento se enfraquecer, auxiliando ainda o segmento citado”. De toda forma, é esperado menores picos positivos de venda, dado avanço das incertezas (saúde e economia) e piora do quadro do consumo para o início de 2021.


Espaço Publicitário