O Índice Nacional da Construção (INCC/Sinapi), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e que mede a inflação da construção no Brasil, contou no ano passado com queda no âmbito do Estado de São Paulo. No país o custo médio por m² da construção civil foi de R$1.158,81, aumento de 4,03% em relação a 2018. No Estado de São Paulo o custo médio é maior, R$1.247,81, mas revela um avanço mais tímido, de 2,86%. “Em 2018, os índices nacional e estadual ficaram em 4,41% e 4,77%, respectivamente”, ressalta o economista Jaime Vasconcellos.

O Índice Nacional da Construção Civil é aferido por meio de dois subíndices, o custo da mão de obra e o custo de material de construção. Este último se apresentou como principal responsável por puxar para cima o INCC no ano passado.  O custo dos materiais avançou 4,54% em território nacional, enquanto na economia paulista elevou-se 2,82%. Já o preço da mão de obra por m² contou, em 2019, com elevação de 3,47% (Brasil) e 0,23% (Estado de São Paulo).

“Os dados históricos mostram evolução comportada dos preços deste setor nos últimos três anos” ressalta Jaime. E complementa: “na economia paulista isso é ainda mais visível”. Ele explica que o desemprego e o crescimento tímido de demais indicadores gerais de preços puxam o custo da mão de obra para baixo. Já a demanda, ainda que esteja demonstrando boas perspectivas de crescimento, ainda não está plenamente aquecida, o que auxilia o custo dos materiais de construção. “A atenção de consumidores e empresários do setor deve ser especial em relação às mercadorias importadas, dado que a taxa de câmbio se manterá acima dos quatro reais também em 2020. Contudo, a tendência é mais um ano de inflação dentro da meta, inclusive a da construção civil”, finaliza.