Os comerciantes se mostraram mais reticentes em relação às vendas, conforme sondagem realizada pela Fundação Getúlio Vargas. O Índice de Confiança do Comércio (ICOM), em novembro, contou com um recuo de 0,6 ponto, ao passar de 98,4 para 97,8 pontos. Em médias móveis trimestrais, depois de três altas consecutivas, o índice recuou 0,3 ponto.

Rodolpho Tobler, Coordenador da Sondagem do Comércio da FGV IBRE, comenta que a confiança do comércio cede em outubro confirmando a tendência a certa estabilização na faixa entre 97 e 99 pontos. “A queda no mês foi influenciada pela redução das expectativas dos empresários do setor, sugerindo dúvidas quanto ao ritmo das vendas nos próximos meses. Já a percepção sobre a situação atual ficou estável no mês após uma alta expressiva em outubro. Apesar dos percalços, a expectativa para este final de ano segue positiva, sob influência da liberação de recursos do FGTS, mas a manutenção da tendência de recuperação ainda parece incerta, principalmente com relação à sua velocidade”.

Indicadores de confiança do comércio e do consumidor recuaram em novembro.
Em novembro, a confiança do comércio e do consumidor sofreram queda.

Piora nas expectativas

Em novembro, a confiança caiu em 8 dos 13 segmentos. A queda do índice foi mais influenciada pela piora das expectativas. O Índice de Expectativas (IE-COM) recuou 1,0 ponto, de 101,9 para 100,9 pontos, refletindo neutralidade. O Índice de Situação Atual (ISA-COM) caiu 0,2 ponto, ao passar de 95,1 para 94,9 pontos.

A Fundação Getúlio Vargas registrou também queda na Confiança do Consumidor para o mesmo período de análise. O índice apresentou desempenho similar, contou com recuo de 0,5 ponto percentual em novembro, depois de três altas consecutivas.