Após uma queda de 0,5 ponto em setembro, o Índice de Confiança da Construção (ICST), da Fundação Getúlio Vargas (FGV), obteve uma recuperação e subiu 0,4 ponto, alcançando 87,5 pontos. Para Ana Maria Castelo, Coordenadora de Projetos da Construção da FGV IBRE, o indicador de Situação Atual voltou a impulsionar a confiança do empresário da construção, apesar do indicador de Expectativas ter registrado queda pelo segundo mês. “Esse cenário, que aponta sinais invertidos para a percepção relativa aos negócios no momento e nos próximos meses, mostra que há uma recuperação em curso, mas ainda não há segurança no empresário em relação a sua continuidade”.

O Índice de Confiança da Construção, em médias móveis trimestrais, aumentou 0,7 ponto, mantendo a tendência ascendente pelo quinto mês.

Ana Maria destaca ainda que entre os fatores assinalados como limitadores da melhoria dos negócios, a demanda insuficiente permanece como o de maior relevância para todos os segmentos setoriais. “Ou seja, o cenário de baixo crescimento do investimento responde por parte importante dessa insegurança em relação à retomada”.

O trabalho desenvolvido pela Fundação Getúlio Vargas verificou ainda que o Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor contou com uma variação positiva de 0,7 ponto percentual, atingindo os 70,1%. Em relação aos NUCIs para Máquinas e Equipamentos e NUCI para Mão de Obra, foram registrados aumentos de 0,5 e 0,7 ponto percentual, respectivamente.