O Sincomavi sempre adotou nas negociações para as Convenções Coletivas de Trabalho (CCTs) uma posição de firmeza e transparência.

Essa filosofia de trabalho tem como objetivo respeitar os pontos estabelecidos pela categoria nas Assembleias Gerais e garantir que, tanto patrões como empregados, sejam atendidos adequadamente em seus anseios, sem colocar em risco a sobrevivência das empresas do setor. Isso porque os termos acordados nas CCTs serão obrigatórios para empresas dos mais diferentes portes, sejam elas micro, pequeno, médio e grande, e segmentos, tais como material de construção, vidros, bicicletas, tintas, informática etc. Cada um com características e desafios próprios.

Muitas vezes, em razão desses cuidados, a atuação do Sincomavi é colocada sob questionamentos, principalmente em relação à demora para definição das CCTs e, como manifestado recentemente pelo Sindicato dos Comerciários de São Paulo (SECSP), de um posicionamento teoricamente intransigente.

Como já mencionado, a diretoria do Sincomavi respeita as decisões da Assembleia Geral, que é soberana em suas decisões. Além disso, é necessário ressaltar que toda negociação prevê em sua essência concessões de ambos os lados. Caso contrário, não está ocorrendo uma negociação, mas sim uma imposição.

A diretoria do Sincomavi tem pleno conhecimento da frustração gerada com o prolongamento das negociações.

No entanto, o principal compromisso da entidade é defender os interesses das empresas associadas. E esse princípio não será alterado.

Sincomavi

Atualizado em 11 de fevereiro de 2020